fbpx
A missa é um marco divisório entre a morte e o retorno à normalidade do dia-a-dia.

A missa de 7.º dia é um ritual na religião católica, um tempo que delimita o período entre a morte e o resguardo dos enlutados, considerado o tempo de luto mais acentuado. A missa é um marco divisório entre a morte e o retorno à normalidade do dia-a-dia.

A sua origem é bastante antiga, na Bíblia o numero sete corresponde à totalidade, perfeição, plenitude, o finalizar de algo. A referência ao numero sete (setecentos, setenta,sétimo) aparece na bíblia 662 vezes.

Por exemplo, aparece descrito no livro do Gênesis que Deus levou sete dias para criar o mundo e quando terminou, vendo que estava perfeito, descansou. Lemos no mesmo livro que, quando morreu Jacó foi feito um funeral grandioso e José guardou luto por sete dias.

No livro de Samuel refere que, aquando da morte do Rei Saul, os seus guerreiros queimaram o corpo e enterraram as cinzas e fizeram jejum por sete dias. Quando morreu Judite, a heroína do povo Hebreu, os Israelitas fizeram um luto por sete dias. O livro do Eclesiástico afirma que o luto pelo morto dura sete dias. A devoção católica estabelece só sete dias para ajudar a diluir a dor e a interferência da falta do Ente Querido no seio Familiar.

Em alguns lugares, principalmente as pessoas mais idosas, mostram o respeito pelos sete dias. Não abrem as janelas, não se vem na rua, televisão e rádio apagados ou com som diminuto, etc. A missa de sétimo dia pode não ser após os sete dias de morto, é considerado um ato simbólico, um costume de rezar pelos mortos que serve de conforto espiritual.

Fonte: Elegia

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Subscrever
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Relacionados

Sabe gerir a conta do Facebook de um familiar falecido?